Festival Vozes na Chapada faz sucesso entre baianos e turistas

Evento realizado no município de Mucugê foi oportunidade para fomentar o turismo na região

Mucugê

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Reunindo música popular e erudita, passeios turísticos e em trilhas ecológicas e todos os encantos da Chapada Diamantina, o Festival Vozes na Chapada encerrou sua quinta edição com taxa de ocupação hoteleira de quase 100%. O evento, que aconteceu de 1º a 3 de agosto, no município de Mucugê, um dos mais antigos e belos  da Chapada Diamantina, localizado a cerca de 450 quilômetros de Salvador, foi apoiado pela Bahiatursa como forma de fomentar o turismo na região.

De arquitetura colonial totalmente preservada, a cidade de Mucugê, fundada no fim do século XVIII, foi um dos principais centros de exploração de ouro e de diamantes, e, assim como Rio de Contas, Andaraí e Lençóis, faz parte do complexo geológico que compõe o Parque Nacional da Chapada Diamantina, uma região rica em beleza natural com cachoeiras, cânions e montanhas.

“Foi um evento excepcional, com o apoio da Bahiatursa e da Secretaria de Turismo, o Festival. Todos ganharam com um evento dessa natureza, que, além de trazer cultura para nossa cidade, fortaleceu o turismo e aqueceu a economia do município”, avaliou a prefeita de Mucugê, Ana Olímpia Medrado.

Com o sucesso do evento, a prefeita já anunciou a provável data do VI Festival Vozes na Chapada, de 31 de julho a 2 de agosto de 2014. “Não vou medir esforços para prosseguir com esse festival. Tenho certeza que as pessoas que assistiram ao festival serão multiplicadores e vão falar do encanto desses três dias que passamos juntos aqui em Mucugê”, ressaltou.

Atrativos naturais

Durantes os três dias de festival, os nativos e turistas puderam visitar os atrativos locais, como o sítio ecológico do Projeto Sempre Viva, a Cachoeira das Andorinhas, o Cemitério Bizantino e o Museu do Garimpo, em Mucugê, o Poço Azul, em Nova Redenção, e Poço Encantado em Itaetê.

Acompanhada por amigas, a baiana Eliane Ventura aproveitou o clima da cidade para passear e conhecer um pouco da história de Mucugê e experimentar o famoso cortado de palma e a comidinha caseira da região. “A cidade é muito acolhedora. Já estivemos aqui várias vezes e sempre voltamos. Mas hoje especialmente para assistir ao encerramento do Coral de Vozes na Chapada”, disse.

A turista Margarida Martins, que mora em Portugal, foi a Mucugê para conhecer a riqueza da diversidade de corais e saiu encantada com a magia do lugar. “Quero conhecer o Rio Piabinha e tomar banho na Cachoeira de Tiburtino. O passeio é gratificante e só paguei R$ 10, e ainda levo toda essa experiência vivida nessa enigmática cidade”, contou.

Lúcia Miranda de Oliveira, de Itabuna, saiu deslumbrada com tanto magnetismo. “Aqui encontramos a alegria da alma, amizade no olhar de todos e  uma felicidade que traduz a mesma sintonia. O festival atende a vários públicos de todas as idades e credos e desperta em nós a música que está no nosso interior”.

Programação

O Festival Vozes na Chapada reuniu mais de 13 grupos de diferentes cidades da Bahia e de outros estados, proporcionando a integração entre os principais cantos corais do país. O festival contou com concertos na Câmara Municipal de Mucugê e na Praça dos Garimpeiros.  Treze corais se apresentaram,  sem competição. Em paralelo às grandes apresentações, os concertos dividiram espaços com oficinas de técnica vocal, ministradas gratuitamente pela mestra Ana Paula Barreiros, com apresentação didática.

Intérpretes de grande talento se apresentaram em concerto no Centro Antonio Carlos Medrado (Clube Social), com um repertório diversificado, trafegando entre a música erudita e a folclórica, passando pelo gospel e ritmos regionais.

Convidada especial do evento, a cantora Margareth Menezes,  apresentou, na Praça dos Garimpeiros, o show em homenagem aos ícones da música brasileira  Gilberto Gil e Caetano Veloso. A cantora lembrou que sua carreira teve início  aos 15 anos de idade, quando ganhou uma guitarra e começou a cantar no coral da Igreja da Congregação Mariana da Boa Viagem, em Salvador. “Iniciei minha carreira de base cantando no coral, e me orgulho de hoje estar presente neste festival tão diversificado onde muitos artistas podem ser revelados”, ressaltou.

O show intimista e em formato eletroacústico foi bastante concorrido,  com guitarra, violão e percussão. Margareth  apresentou um repertório centrado nas composições de Gilberto Gil e Caetano Veloso, abrindo com a canção Refazenda, de Gil. O espetáculo já foi apresentado no Rio de Janeiro, Fortaleza e Aracaju. “Fizemos um arranjo especial para todas as músicas, respeitando o tempo e a alma da melodia”, disse a cantora.

Deixe seu comentário

Redes Sociais

Palácio Rio Branco - Praça Thomé de Souza, S/N, Centro. CEP: 40.020-010 (ver mapa) | Tel: +55 71 3116-6814/6863