Festa do Rio Vermelho reúne multidão para reverenciar Iemanjá neste domingo

Milhares de admiradores  homenageiam a Rainha do Mar neste domingo, 2 de fevereiro Foto: Tatiana Azeviche/ Setur

Milhares de admiradores homenageiam a Rainha do Mar neste 2 de fevereiro  Fotos: Tatiana Azeviche/ Setur

“Dia dois de fevereiro, dia de festa no mar. Eu quero ser o primeiro a saudar Iemanjá”. O trecho da música Dois de Fevereiro, do compositor baiano Dorival Caymmi, representa a crença que leva milhares de admiradores a homenagear a Rainha do Mar, em uma das mais bonitas e concorridas festas do calendário religioso e popular da Bahia, a tradicional Lavagem do Rio Vermelho. Realizado desde 1923, o evento promete movimentar a capital baiana, neste domingo (2 de fevereiro).

Organizada pela Colônia Z-1, a festa tem início no sábado (1°) com a abertura, às 6h, do caramanchão da Casa do Peso (colônia de pescadores do Rio Vermelho), onde são depositadas as cestas com os presentes que serão oferecidos à Iemanjá. Este ano, a arrumação será aberta mais cedo devido à quantidade de pessoas que comparecem ao lugar, cerca de 1 milhão. Serão disponibilizados em torno de 500 balaios pela colônia, mas, com a contribuição dos visitantes, chegam a um total de 100 cestas recheadas de mimos para a Rainha do Mar.

Às 23h, os pescadores participam da parte sincrética da festa, que é realizada no terreiro de Mãe Aice, no Engenho Velho da Federação. Em seguida, a partir das 2h30, seguem para levar uma oferenda a Oxum, orixá que é considerada a Rainha das Águas Doces, no Dique do Tororó.

Ainda de madrugada, o presente dos pescadores da colônia à Iemanjá, ainda mantido em sigilo, chega ao Rio Vermelho às 4h45 do domingo (2), quando também será realizada uma alvorada, com fogos de artifício. A procissão marítima tem início às 15h30, e a comemoração religiosa se encerra às 18h, após o retorno dos barcos. Cerca de 350 embarcações participam do cortejo pelas águas da Baía de Todos-os-Santos e acompanham o barco Rio Vermelho, que tradicionalmente leva o presente principal até alto-mar.

Após a oferta, o público costuma participar da parte profana da festa, ao som de muita música e aproveitando as comidas e bebidas das barracas que são montadas no Largo do Rio Vermelho. A comemoração contará com 175 baianas, 140 ambulantes e 280 volantes (vendedores que circulam com caixas de isopor pelo local).

Segundo o presidente da Colônia Z-1, Marcos Souza, após a oferenda, os pescadores recebem a resposta se a Rainha do Mar recebeu ou não o presente. Caso o resultado seja positivo, entre oito e 15 dias após festa de Iemanjá, os pescadores realizam uma comemoração no mesmo local, com direito a bacalhau, futebol e mais festejos.

Deixe seu comentário

Última do Twitter

Palácio Rio Branco - Praça Thomé de Souza, S/N, Centro. CEP: 40.020-000 (ver mapa) | Tel: 55 71 3116-6814/6863