A indústria sem chaminé cresce na Bahia

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

No último dia 13 de dezembro, a Organização Mundial do Turismo celebrou a viagem do bilionésimo turista pelo planeta. Um bilhão de viajantes e US$1,2 trilhão movimentados pelo setor no mundo.

Como se vê o turismo, além de ser uma indústria sem chaminé, como diz o governador Jaques Wagner, também representa um grande potencial econômico. E o Brasil tem lugar no futuro dessa atividade, apesar de hoje receber apenas 6 milhões de turistas estrangeiros por ano. Ainda assim, o setor é responsável por 2,8 milhões de empregos diretos no país, e 3,7% de todas as riquezas geradas no Brasil.

Na Bahia o peso é ainda maior. De acordo com a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE), em pesquisa para o Ministério do Turismo em 2011, o setor representa 5,7% do PIB total do Estado e movimentou R$ 7,8 bilhões no mesmo período. O mesmo estudo aponta que a Bahia é o terceiro principal destino turístico e o líder absoluto do Nordeste, com mais visitantes que a soma de todos os outros estados. O turismo da Bahia cresceu de 9 milhões para 11 milhões de turistas de 2009 para 2011, incluídos aí os brasileiros de outros estados, os baianos viajando pela Bahia, e os estrangeiros, esses últimos chegando ao número de 558 mil.

No entanto, a situação de Salvador estabelece uma falsa impressão sobre o turismo na Bahia. Uma cidade só é boa para os turistas se for boa para seus habitantes. A frase da então prefeita Lídice da Mata virou um axioma do turismo.

A própria Câmara de Turismo da Fecomercio registra o crescimento de destinos como Praia do Forte, Morro de São Paulo, Porto Seguro e Maraú. Além disso, o Vale do São Francisco entrou no mapa do turismo da Bahia com o Vapor do Vinho, embarcação de turismo que está transportando em seus passeios, mais de 2 mil pessoas por mês à principal vinícola da região.

Assim é que o desafio do turismo na Bahia era o de inovar, proporcionar qualidade dos serviços e produtos turísticos e adensar economicamente a cadeia produtiva.

A inovação teria que servir também para resolver um dos problemas mais difíceis do turismo em destinos de lazer como a Bahia, a baixa estação. E por isso o São João da Bahia foi transformado em produto turístico e outros novos produtos também foram criados como o Espicha Verão, o GP Bahia de Stock Car e o Salão Baiano de Turismo da Bahia.

Mas não basta atrair turistas com novos eventos. É preciso atendê-los bem e para isso, novos serviços como o Disque Bahia Turismo, funcionando 24 horas por dia em português, inglês e espanhol, foi criado com o Projeto Guias e Monitores do Carnaval, um receptivo especial para o maior evento turístico da Bahia. Esse esforço de qualidade se estende à qualificação de pessoas. Foram 12 mil profissionais qualificados em cinco anos.

Entretanto, outra questão do turismo é a sua imensa transversalidade. Impossível pensá-lo sem infraestrutura, sem segurança, sem mobilidade. E por isso, foram investidos R$ 300 milhões com recursos próprios do Governo do Estado e do Ministério do Turismo em rodovias (Itacaré-Camamu), urbanização, como a de Morro de São Paulo e Imbassaí, recuperação de prédios históricos e igrejas, a exemplo do Palácio Rio Branco, das Igrejas do Boqueirão, do Pilar e de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, além da Casa das Sete Mortes, em Salvador.

E para transformar a Bahia num destino náutico já foi aprovado pelo Tesouro Nacional um investimento de R$ 170 milhões em recursos do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) para aplicação na zona turística da Baía de Todos-os-Santos. Serão construídos novos píeres, atracadouros, bases de charter náutico, dentre outros equipamentos.

Finalmente, é no adensamento da cadeia produtiva e das atividades econômicas do turismo que se pode confiar para a criação de empregos e geração de renda. Assim, vale à pena considerar as rotas do chocolate em Ilhéus e o crescimento do turismo rural na Bahia, que passou de pouco mais de 12 para 80 estabelecimentos em funcionamento nos últimos seis anos.

Domingos Leonelli

Secretário de Turismo do Estado da Bahia

Deixe seu comentário

Última do Twitter

Palácio Rio Branco - Praça Thomé de Souza, S/N, Centro. CEP: 40.020-000 (ver mapa) | Tel: 55 71 3116-6814/6863